O uso de madeira em decoração deixa, notoriamente, o ambiente mais aconchegante e charmoso. Não à toa, esse é o material mais procurado na hora de decorar áreas externas. Graças a uma enorme gama de opções, os tipos de madeira para móveis podem ser escolhidos desde sua beleza até sua durabilidade.

Apesar de design e originalidade serem características muito observadas, ao decorar uma área externa resistência é fundamental para os móveis que vão embelezar o ambiente. Diferentemente de materiais como o ferro, que sofre com a ferrugem, e as fibras naturais, que tendem a apodrecer, as madeiras se mantêm firmes e fortes entre as matérias-primas preferidas.

A madeira é um material versátil, já que pode ser encontrada em diferentes composições, tamanhos e formatos. Ela também pode ser aplicada em outros elementos além dos móveis, como janelas, portas, vigas, decks e telhados. Com tanta variedade, é preciso conhecer um pouco mais sobre as opções disponíveis.

Neste post, te ajudaremos a entender um pouco mais sobre as espécies de madeira maciça, como usar placas de madeira reconstituída, explicaremos o que é madeira de reflorestamento e mostraremos o charme da madeira de demolição.

Além disso, listamos os tipos de madeira para móveis que podem ser usados sem medo nas áreas externas. Confira!

1. Madeira maciça
Alta qualidade define esse tipo de madeira, pois é a matéria-prima usada em seu estado bruto. O mobiliário resultante é em estilo rústico e colonial e é recomendado para quem busca por peças que serão utilizadas por muitos anos e que não serão trocadas de lugar tão cedo.

A madeira maciça, por sua solidez, pode ser usada em itens como mesas, cadeiras, bancos, pisos, revestimentos e sofás. Sua beleza está garantida nos traços simples que permitem apreciar as características naturais da madeira. Além disso, é resistente à umidade e ao calor intenso, arranhões e perfurações.

Conheça agora algumas das espécies de madeira maciça altamente recomendadas para o uso em móveis para espaços externos.

Maçaranduba
O belíssimo tom avermelhado dessa madeira tem conquistado muitos corações, principalmente porque, com o passar do tempo e o grau de exposição, a cor tende a escurecer, se tornando ainda mais charmosa. É um tipo de madeira resistente ao ataque de cupins e de fungos, bem como ao apodrecimento.

Muiracatiara
Com tons que variam do bege rosado ao castanho escuro avermelhado, e com estrias escuras, o muiracatiara é um tipo de madeira singular, sobretudo por causa do seu brilho moderado. Essa madeira não é atacada por insetos, o que eleva a sua durabilidade por cerca de 7 anos.

Pau-amarelo
Como o nome sugere, essa madeira é amarela e com brilho moderado. O pau-amarelo é resistente ao ataque de cupins, mas sensível em relação a fungos. Em contato com o solo, sua durabilidade pode chegar a 15 anos. É recomendada para decks e móveis de jardim.

Tatajuba
O brilho moderado realça a beleza do tatajuba, uma madeira amarelo-dourada que, às vezes, pode ser encontrada em tons mais escuros, como o castanho. Muito resistente ao ataque de fungos, tem durabilidade natural superior a 7 anos e brilha quando usado em poltronas e mesinhas de centro para varandas.

Ipê
Se a ideia é criar uma ar de sofisticação e requinte, o ipê é uma boa opção. Tem ótimo uso externo graças às diversas cores que vão do pardo ao castanho-esverdeado. Além da resistência a fungos e cupins, com a proteção certa, pode ser usado em móveis como espreguiçadeiras e bancos.

Cumaru
Se destaca por sua alta resistência à deterioração por exposição à água, vento e luz natural. Seu uso agrega sofisticação aos espaços externos por causa do seu tom castanho-claro e amarelado e a durabilidade superior a 12 anos. Pode ser usado em bancadas de espaços gourmet e churrasqueiras, por exemplo.

2. Madeira de reflorestamento
O campo do design tem se voltado cada vez mais a materiais que caracterizam responsabilidade ambiental e consciência ecológica. Por isso, o uso da madeira de reflorestamento tem sido difundido de forma crescente. Originada de árvores que foram replantadas, essa madeira não passa pelo processo de desmatamento.

Ela despontou no setor moveleiro e, com o mercado da decoração de interiores se tornando mais exigente e detalhista, as madeireiras de reflorestamento passaram a oferecer matéria-prima de qualidade inquestionável. Casas de praia e de campo, com grandes áreas externas, recebem frequentemente móveis com esse tipo de madeira.

Ela também pode ser usada em portas, janelas, pisos de varandas, móveis de jardins e detalhes nos quintais. Confira os tipos de madeira de reflorestamento que melhor se adaptam a áreas externas.

Teca
Essa espécie tropical é versátil e alia rusticidade e elegância. Naturalmente resistente ao apodrecimento e à deterioração, é ideal para móveis que ficam expostos diretamente ao sol, chuva e maresia. É indicada para móveis usados em jardins e varandas.

Jatobá
Essa é uma das melhores opções para móveis de luxo. A cor marrom avermelhada traz um toque clássico e chique à decoração. É uma opção muito valorizada por artesãos e arquitetos. Pode ser usado em bancos para quintais, espreguiçadeiras para piscinas ou mesinhas de apoio para varandas.

Cedro
São muitas as possibilidades de móveis criados com esse tipo de madeira, pois o cedro deixa o ambiente mais prático e funcional. Leve e versátil, ele é fácil de lixar, pregar, parafusar e serrar. Pode ser usado em mesas e cadeiras, pois tem uma longa durabilidade e uma bela cor de ferrugem fácil de combinar.

Eucalipto
Já é utilizado para fabricação de móveis desde a década de 50. O motivo: madeira leve e fácil de ser trabalhada manualmente. O eucalipto grandis, de cor clara e avermelhada, e o eucalipto citriodora, castanho claro, são os mais procurados por sua resistência e durabilidade.

Pinus
Foi uma das primeiras madeiras de reflorestamento usadas na indústria moveleira. Durável e de excelente qualidade, sua tonalidade parecida com marfim a destaca. O pinus é perfeito para ser usado em poltronas, sofás e floreiras no alpendre, dando um ar de delicadeza.

3. Madeira de demolição
Proveniente de peças prontas e construções antigas, a madeira de demolição precisa passar por tratamentos industriais para ser reutilizada. Também complementa a ideia de decorações sustentáveis e confere um visual mais rústico, o que combina perfeitamente com ambientes externos.

De uma forma geral, os móveis, itens de decoração e artigos fabricados com madeira de demolição tem encantado por sua estética singular. Muitos projetos de decoração propõem explorar as características únicas desse tipo de madeira, como o desgaste e as marcas do tempo.

A exposição desses detalhes estruturais ajudam a contar uma história, reviver memórias e a valorizar também a origem da madeira utilizada. Ela pode vir dos trilhos de uma velha ferrovia, das portas do antigo casarão da família ou das janelas coloridas da casa de sua avó. Uma injeção a mais de charme e elegância.

Na hora de usá-la em ambientes externos, ela pode estar em diferentes elementos. Grandes mesas e bancos para área gourmet, em madeira de demolição, ficam lindos. Ela também pode ser usada em móveis planejados, escadas, revestimentos e pisos.

É, ainda, um tipo de matéria-prima usada em decorações nos estilos vintage e industrial, conferindo toques de romantismo e nostalgia a qualquer ambiente.

4. Madeira MDF
Resultante da aglutinação de resina sintética e fibras de madeira, a madeira MDF é largamente utilizada quando se trata de peças que necessitam de cortes, entalhamentos e relevos detalhados. É um material extremamente versátil e pode ser usado em estantes, armários e prateleiras.

Por ter uma superfície bastante estável, seus usos são os mais criativos possíveis. Por isso, o mercado utiliza o MDF em móveis de montagem como gavetas, escrivaninhas e racks. E não é só isso, na construção civil está presente em divisórias, portas e batentes.

Na decoração de áreas externas, o MDF pode estar presente em quadros para paredes, tampos de mesa e artigos de decoração, como enfeites e miniaturas. Esse é considerado um material ecologicamente correto, durável e capaz de compor peças com design único.

5. Madeira MDP
O MDP é o resultado de partículas de madeira aglutinadas e submetidas a altas temperaturas. O material que se forma é estável e resistente, largamente utilizado na fabricação de móveis. É tão sustentável quanto o MDF, pois utiliza apenas madeira de reflorestamento em seu processo de composição.

Outra característica importante é que os painéis de MDP, devido ao seu processo de produção, geram uma matéria-prima resistente à mudança de temperatura e aos desgastes por atrito. Isso os torna ideais no uso em móveis para áreas externas.

Garantia e confiabilidade são vantagens relacionadas ao MDP. Ele costuma ser usado na fabricação de prateleiras, nichos, caixas, baús e todo tipo de móveis que não exijam cortes em relevo, por exemplo. Se os móveis forem feitos em linhas mais retas e simples, o MDP dará a eles leveza e resistência.

Tenha sempre em mente que é preciso impermeabilizar algumas das madeiras escolhidas antes de utilizá-las nas áreas externas. Muitos profissionais indicam que, para proteger as peças das intempéries e da ação do sol e da chuva, é preciso aplicar camadas de resina natural.

Além disso, para evitar o apodrecimento e o ataque de fungos, é recomendado fazer, a cada ano, um tratamento com verniz.

ref: http://macdesign.com.br/blog/quais-sao-os-melhores-tipos-de-madeira-para-moveis-de-area-externa/